domingo, 7 de agosto de 2011

Nosso amor só nosso - Capítulo 10

Massimo foi embora e uma fase negra começou na minha vida.
Negra porque de novo eu estava afundada no submundo da saudade, mas também porque a empresa em que eu trabalhava, uma escola da qual eu amava fazer parte, passava por uma crise gigante.
A este capítulo da novela dou o nome de buraco negro... tem mais coisa ruim que boa pra falar, mas se eu não contar, a história fica incompleta, sem sentido, sem verdade.
Eu era professora de informática.
Olha eu aí acolhendo meus pequenos antes de falar de coisas sérias:


Mas a escola não ia bem. Estava sendo mal administrada e, pouco a pouco, estava afundando.
Então, financeiramente minha vida começou a desmoronar.
Eu recebia salário um mês sim, um mês não.
Em alguns meses eu recebia 1/5 do salário. No outro, 2/3. No outro, um pedaço de pizza. No outro, a cueca do porteiro como pagamento pelos meus serviços.
Mais ou menos por aí...
Então, psicologicamente eu fiquei muito abalada com tudo isso.
Eu e todos os envolvidos no processo.
Como sempre, eu tentava não passar uma carga enorme de estresse para o Massimo, afinal, ele estava longe e não podia fazer muita coisa.
Mas a realidade era bem feia.
A expressão vender o almoço pra pagar o jantar não rolou, mas usar todos os limites de cartão de crédito e enfiar o pé na jaca das dívidas eu enfiei.
Em certo momento, fui socorrida por uma professora muito querida, a Cecília, que fez a compra do mês para eu poder esperar o próximo dinheiro entrar. Pensem vocês o que é passar por isso (e com 2 filhos).
Uma salva de affs para esta terrível fase da minha história.
Foi quando um dia resolvi desabafar com Massimo pois ele percebia que eu andava triste, chorava demais... Falei pelo que realmente  eu estava passando, ou seja, tirei a peneira que estava tapando o sol da minha vida.
Não gosto de ser portadora de más notícias e se eu posso poupar as pessoas das coisas chatas da vida e aguentar sozinha, eu faço... sou assim.
Só que Massimo ficou muito chateado comigo por eu não ter dividido tal problema com ele. Ficou p** da vida mesmo.
Pois quando eu disse pra ele que eu tinha recebido ajuda até para comer ele enlouqueceu.
Ele me perguntava  porque eu não havia falado com ele antes de chegar a este ponto. Ele não tinha noção de que eu estava passando por todos aqueles problemas.
Ele ficou sem chão. Sem saber o que fazer. Achou que eu tinha sido muito superficial em relação a nós dois.
Brigamos. Discutimos.
Desconectamos.
Depois de uns 3 dias que ficamos sem nos falar por causa da briga, nos reaproximamos novamente.
Massimo resolveu "casar comigo" virtualmente no sentido de me assumir... ele pegou aquele problema pra ele e a partir de então eu não mais estava sozinha para enfrentar aquele período.
Foi como se o nosso namoro passasse para um nível acima, pois até então, não tínhamos responsabilidades um com o outro. Nosso vínculo aumentou muito depois desse problemão.
Né querendo ser Poliana não, mas sempre tem uma coisa boa no meio do caos, né? Basta ter olhos treinados para ver...
Ele passou a me ajudar com minhas contas, basicamente foi isso.
A empresa em que eu trabalhava  faliu, deixando mais de 400 alunos sem escola em pleno mês de março.
Os pais dos alunos eram só revolta.
Uma equipe de sei lá quantos professores estava desempregada, traumatizada e frustrada (óia eu aí no meio).
Foi quando resolvi partir para outra...
Fundo do poço, eu conheço bem, mas se precisar do mapa pra sair de lá eu escaneio e mando por e-mail.
Eu tava lá no fundão do poço e pensei: - o que posso fazer já que nenhuma escola me contratará no meio do semestre?
Pensei, pensei, pensei e resolvi fazer o que eu melhor sabia fazer depois de ser linda (;-) e professora de informática, ou seja, dar aula de dança.
Consegui entrar  numa academia grande onde fui treinada para ensinar Ballroom, uma experiência super legal mas  que não durou muito, somente o tempo suficiente para eu ter mais conhecimento e aplicar nas minhas aulas particulares.
Óia eu aí numa apresentação de Valsa lenta.... Nhoin... deu saudade! (Mas bem pouca).



Saí da academia e passei a me dedicar em tempo integral às aulas particulares de dança na minha casa.
A nuvem negra começava a sair de cima da minha cabeça.
Mas eu estava há um ano e 3 meses sem ver o Massimo pessoalmente.
A saudade era grande demais...
Você se imagina vivendo um amor assim?
Você esperaria alguém por tanto tempo?
Foi então que ele veio novamente me ver... era o nosso terceiro encontro real.
Ele veio em julho, no meio da copa do mundo.
E quem estava jogando na final? Itália e França... salva de nhoinsssss!!!!
A Itália ganhou e eu pude comemorar com ele, agarradinha!
Se for pensar, pobre Massimo, veio assistir a copa em territória inimigo, mas acolhi bem ele chamando alguns amigos que torceriam para a Itália (senão seriam torturados e excluídos do meu Orkut, que ainda não era o primo pobre das redes sociais).
Foram dias lindos e perfeitos.
A Itália foi campeã.
Meu amor estava aqui comigo e uma sucessão de dias lindos e acontecimentos especiais aconteceram dali pra frente.
Good vibes novamente estavam rondando minha vida.
No próximo capítulo conto como foram os dias de Massimo aqui no Brasil e as coisas lindas que fizemos juntos. (Até casamos... ;-))


Bjo me acompanha na novela, mesmo eu sendo uma escritora de merd*** que passa dias sem escrever e deixa os netspectadores esperando as cenas dos meus próximos capítulos. Amo vcs.

8 Comente AQUI!:

Caroll disse...

Não vejo problema em esperar para ler uma história verdadeira e tão linda!!
Sempre quando vejo a atualização de mais uma capítulo, vem um sorriso estampar meu rosto!
Também tenho um bloguinho, falo um pouco de como é ter 20 e poucos anos.
Que Deus Abençõe!!
Abraços

Criss Ferrari disse...

Dany ainda não tinha comentado, mas estou lendo tudinho, e enquanto eu leio é impossível não pensar no sufoco que deu para eu ficar com o meu italiano :) já são 12 anos de parceria :) nossas histórias tem muitas diferenças mas uma coisa é igual: não foi moleza, mas o amor venceu. Sou mais uma que aguarda os novos capítulos. Eu já sabia porque adoro vocês, mas a cada capítulo eu tenho mais um motivo.

Juliana Magalhães disse...

Dany vc escreve lindamente! Adoro ler sua história e relembrar os momentos: uns bons, outros nem tanto ( como a falência do nda), mas todos bem significativos.
Beijos mil...
www.mentevaziaeoficinade.blogspot.com

Sandra disse...

E como espero por estes posts! Sua vida daria uma novel ade verdade, e das boas!
Tô esperando o próximo capítulo!
Beijos

Chris Ferreira disse...

Oi Dany,
peguei a história ness capítulo e gostei muito da verdade e sentimentos carregados nela.
Aula de dança é um ótima opção para espantar o baixo astral.
Quando profissional e sentimental não vão bem, é difícil segurar a barra.
Que bom que boas energias estão vibrando.
beijos
Chris
http://inventandocomamamae.blogspot.com/

Lia Gloria disse...

Nossa Dany, esse amor está blindado hj em dia, depois de tanta provação... menina, te admiro mais ainda depois de saber o qto fostes digna ao enfrentar tantos percalços. bjs

Telma Maciel disse...

Vixe! Peraí q vou já lá na primeira parte da história, começar do 0, pq começar da parte 10 não é elucidativo! rs
Mas tô precisando de um mapa pra sair do fundo do poço emocional... vc tem aí? rs
Deixa eu correr lá atrás...
Beijooo

Andrêssa Generoso disse...

Nossa... Nesse capítulo eu estava presente... Em muitos momentos. Escola, falência, aulas de dança, jogo da copa... kkkk! Que vestido lindo o da sua apresentação de valsa! rsrsrs
Beijos, amiga!

Postar um comentário